Eu Quero Doar

Paciência: virtude que gera atitude

Inspiração    |     Simone Eickhoff     |     20/07/2017

Vivemos num mundo que nos impõe velocidade: pensar rápido, comer rápido, produzir rápido, andar rápido. A sensação diária é de que não podemos perder tempo, e são várias as situações que aceleram nosso dia. “O mundo de hoje nos impulsiona a querermos tudo rapidamente. Não suportamos ter que esperar. Queremos os aparelhos mais velozes, as comidas rápidas.” (BARBOSA, 2016, p.55).

Em casa já não dedicamos o tempo para sentar e conversar, afinal estaríamos “perdendo tempo” e deixando de fazer alguma outra coisa. No trabalho há uma cobrança pela produtividade no menor tempo, atropelando nossas relações interpessoais, afinal tempo é dinheiro. E a minha oração?  Rápida, pois os afazeres são muitos.

Vale o questionamento: que tempo dedico no meu dia a uma boa leitura, a um passeio com a família, a uma meditação da Palavra do Senhor, à oração? O que de fato estou priorizando no meu dia? Consigo parar para fazer esta reflexão? Quais são meus projetos de vida? Deus está envolvido neste projeto?

Como cristãos, temos consciência que é preciso desacelerar e dedicar o tempo apropriado para as coisas importantes. Podemos buscar caminhos que nos ajudem neste propósito como o  exercício  da virtude da paciência que faz-nos crescer na dedicação do tempo com e para Deus. Ela é uma das virtudes humana que “regula nossos atos, ordenando nossas paixões e guiando-nos segundo a razão e a fé” (CIC, 1833).  A paciência também é um dos frutos do Espírito Santo que “são perfeições que o Espírito Santo forma em nós como primícias da glória eterna” (CIC, 1832).

Podemos destacar duas faces da virtude da paciência:  exercitar a paciência nas atividades e atitudes cotidianas  com o outro trará os frutos do amor, da paz , da serenidade, da justiça; exercitar a paciência na oração trará mais intimidade com Deus, confiança e a certeza que Deus tem o tempo certo para tudo. Somos muito rápidos em pedir porém, como espero no Senhor? “Queremos que Ele nos atenda prontamente e não temos paciência para esperar, se o pedido não for logo atendido, mas paradoxalmente pedimos que Ele seja paciente conosco.”(BARBOSA, 2016, p.55). Deus nos surpreende sempre, precisamos aprender que “seus pensamentos e critérios são diferentes dos nossos. O mais difícil é ter paciência com esse nosso Deus” (LARRANAGA,2009, p. 91).

Precisamos encher nossa vida e o mundo em que vivemos do verdadeiro espírito cristão que significa “ter o espírito de Cristo, o que por sua vez, quer dizer ver o mundo como Cristo o vê, reagir perante as circunstâncias da vida como Cristo reagiria” (TRESE, 2015, p.129). E então poderemos experimentar um pouco de mansidão, de paz, de tranquilidade.

Peçamos a Nossa Senhora, mãe paciente, a experimentarmos a graça de crescer nesta virtude para sermos agentes transformadores da realidade atual, suportando com fé e esperança as adversidades e provações.

 

BIBLIOGRAFIA:

BARBOSA, Rosane Gomes. Nove Dias com as Virtudes de Maria. São Paulo: Paulinas, 2016

LARRANAGA, Inácio. O Silêncio de Maria. São Paulo: Paulinas, 2009.

TRESE, Leo J. A Fé Explicada. São Paulo: Quadrante, 2015.

CATECISMO DA IGREJA CATÓLICA. São Paulo: Loyola, 2000.

 

NEWSLETTER

Receba nossas novidades por e-mail, cadastrando-se gratuitamente abaixo:

REDES SOCIAIS

Conecte-se conosco Site
oficial

NOSSA LOJA VIRTUAL

Livro: Os 4 hábitos da alegria interior

Livro: Os 4 hábitos da alegria interior

IR À LOJA
Legionários de Cristo - Todos os direitos reservados - 2017 RS DEZOITO